Lotus Notes Sametime

Why Sametime software for your unified communications and collaboration softwareGet integrated, real-time communications services for voice, data and video. Find, reach and collaborate with your colleagues, customers and business partners.

Reduce your costs for travel, telephone plus audio- and Web-conferencing services with unified communications from IBM and Lotus Sametime.

Lotus Sametime software enables collaboration across boundaries:

Presence-awareness – are you online, your location and specifics, are you available – whether at your desk, home office, or mobile. Secure, enterprise-scale instant messaging Online meetings with integrated voice (VoIP) and high-quality desktop video Out-of-the-box integration with IBM Lotus, IBM WebSphere and Microsoft products Open application programming interfaces (APIs) and an extensible client


Disaster Recovery by Google

Thursday, March 04, 2010 at 9:00 AM
Will you be ready when disaster strikes? It's an uncomfortable question for many IT administrators, because answering it with confidence usually requires boatloads of money, immense complexity, and crossed fingers. Fortunately there's a better way.

Taking email as an example, consider a few of the ways that companies protect their data from disruption. Ideally a typical small business backs up its email. They have a mail server, and copy the data to tape at regular daily or weekly intervals. If something goes wrong, they go to the tapes to restore the data that was saved before their last backup. But the information created after their most recent backup is lost forever.

In larger businesses, companies will add a storage area network (SAN), which is a consolidated place for all storage. SANs are expensive, and even then, you're out of luck if your data center goes down. So the largest enterprises will build an entirely new data center somewhere else, with another set of identical mail servers, another SAN and more people to staff them.

But if, heaven forbid, disaster strikes both your data centers, you're toast (check out this customer's experience with a fire). So big companies will often build the second data center far away, in a different 'threat zone', which creates even more management headaches. Next they need to ensure the primary SAN talks to the backup SAN, so they have to implement robust bandwidth to handle terabytes of data flying back and forth without crippling their network. There are other backup options as well, but the story's the same: as redundancy increases, cost and complexity multiplies.

Google Apps customers don't need to worry about any of this for the data they create and store within Google Apps. They get best-in-class disaster recovery for free, no matter their size. Indeed, it's one of the many reasons why the City of Los Angeles decided to go Google.

How do you know if your disaster recovery solution is as strong as you need it to be? It's usually measured in two ways: RPO (Recovery Point Objective) and RTO (Recovery Time Objective). RPO is how much data you're willing to lose when things go wrong, and RTO is how long you're willing to go without service after a disaster.

For a large enterprise running SANs, the RTO and RPO targets are an hour or less: the more you pay, the lower the numbers. That can mean a large company spending the big bucks is willing to lose all the email sent to them for up to an hour after the system goes down, and go without access to email for an hour as well. Enterprises without SANs may be literally trucking tapes back and forth between data centers, so as you can imagine their RPOs and RTOs can stretch into days. As for small businesses, often they just have to start over.

For Google Apps customers, our RPO design target is zero, and our RTO design target is instant failover. We do this through live or synchronous replication: every action you take in Gmail is simultaneously replicated in two data centers at once, so that if one data center fails, we nearly instantly transfer your data over to the other one that's also been reflecting your actions.

Our goal is not to lose any data when it's transferred from one data center to another, and to transfer your data so quickly that you don't even know a data center experiences an interruption. Of course, no backup solution from us or anyone else is absolutely perfect, but we've invested a lot of effort to help make it second to none.

And it's not just to preserve your Gmail accounts. You get the same level of data replication for all the other major applications in the Apps suite: Google Calendar, Google Docs, and Google Sites.

Some companies have adopted synchronous replication as well, but it is even more expensive than everything else we've mentioned. To backup 25GB of data with synchronous replication a business may easily pay from $150 to $500+ in storage and maintenance costs- and that's per employee. That doesn't even include the cost of the applications. The exact price depends on a number of factors such as the number of times the data is replicated and the choice of service provider.

At the low end a company might tier the number of times they replicate data, and at the high end they'll make several copies of the data for everyone. We also replicate all the data multiple times, and the 25GB per employee for Gmail is backed up for free. Plus you get even more disk space for storage-intensive applications like Google Docs, Google Sites and Google Video for business. Other companies may offer cloud computing solutions as well, but don't assume they backup your data in more than one data center.

Here are a few of the reasons why we're able to offer you this level of service. First, we operate many large data centers simultaneously for millions of users, which helps reduce cost while increasing resiliency and redundancy. Second, we're not wasting money and resources by having a data center stand-by unused until something goes wrong – we can balance loads between data centers as needed.

Finally, we have very high speed connections between data centers, so that we can transfer data very quickly from one set of servers to another. This let us replicate large amounts of data simultaneously.

One of the most compelling advantages of cloud computing is its power to democratize technology. Whether it's a 25GB email inbox, Video for business, synchronous replication, or one of countless other advanced services, Google Apps gives companies of all sizes access to technology that until recently was available to only the largest enterprises. And it's available at a dramatically lower cost than the on-premises alternatives, without the usual hassles of upgrading, patching and maintaining the software.

No one likes preparing for worst-case scenarios. When you use Google Apps, you have one less critical thing to worry about.

Posted by Rajen Sheth, Senior Product Manager, Google Apps

Labels: Google Apps, Security


Pesquisa Otimização, Racionalização e Redução de Custos

A 8ª edição do it Command Center Meeting, realizada em agosto/2009 teve como tema: Otimização, Racionalização e Redução de Custos.

Com a participação de gestores de mais de 60 empresas brasileiras, o fórum apresentou as soluções encontradas pelas empresas que estão revendo suas estratégias para reduzir custos e aumentar a produtividade em momentos de crise.

Após dois dias de discussões, os gestores colocaram como ponto fundamental o alinhamento estratégico da TI ao Negócio, viabilizando uma TI de valor. Além do estabelecimento de diretrizes para a implementação da Governança de TI - é possível fazer "menos com menos" em tempos de recessão.
A pesquisa eletrônica envolvendo a área de Governança e Gerenciamento de Serviços serviu como direcionador das ações para o segundo semestre e tomada de decisões para 2010. Confira os dados mais relevantes:

Orçamento de TI:

2009 foi um ano de Orçamento de TI enxuto = 34% das empresas destinam 5% do Orçamento para TI;
Orçamento de iniciativas de Gerenciamento de Serviços também enxuto = 69% das empresas destinam 5% do Orçamento de TI

Profissionais na área de TI - observam-se dois extremos:

21,3% das empresas trabalham com TI reduzida até 25 funcionários;
51% das empresas têm mais de 300 funcionários na área de TI

Valor da TI para a organização:

62,5% dos participantes colocam que a TI é muito importante para a Organização;
44% dos participantes colocam que a TI representa valor para a Organização;

Governança de TI:

39,6% das empresas participantes estão em processo de implementação. Os Framework mais utilizados, são:

· ITIL = 72%
· COBIT = 49%
· PMBOK = 24,5%
· ISO 20000 = 10%

Grau de Maturidade e Certificação:

37% das empresas entrevistadas estão no grau de maturidade 3 (Os processos são conhecidos e dependem de pessoas)
54% das Organizações não são certificadas em ISO 20000, mas 40% das empresas entrevistadas pretendem ser.
25, 6% das empresas desejam até o final de 2010 obter essa certificação.

Principal Desafio:

68% das empresas participantes elegeram a Cultura da Organização

Para ter acesso à pesquisa completa: clique aqui


Cloud Security Alliance

Cloud Security Alliance, organização responsável pela publicação das melhores práticas sobre Cloud Computing, disponibiliza a segunda versão do guia com orientações.


The Santa Fe Institute

The Santa Fe Institute is devoted to creating a new kind of scientific research community, one emphasizing multi-disciplinary collaboration in pursuit of understanding the common themes that arise in natural, artificial, and social systems.


Portal da Administração - Wikipedia

O portal da Administração da Wikipedia é um excelente ambiente para conhecer e aprender sobre a História da Administração, bem como as Ferramentas e Boas práticas nessárias para uma boa admnistração.
Considere a Wikipedia como um gigantesco ambiente para construção do conhecimento em formato de colaboração.


10 mandamentos para fazer menos com menos

10 mandamentos para fazer menos com menos
Manifesto propõe que profissionais de tecnologia quebrem paradigmas e deixem de adotar a premissa de "fazer mais com menos".
Por InfoWorld/EUA
27 de julho de 2009 - 17h53


Uma nova-nova economia?

Uma nova-nova economia?
Post publicado no Blog da HSM que reflete sobre as grandes mudanças ocorridas em nossa sociedade.

Dossiê interessante na Wired deste mês falando sobre uma suposta Nova Nova Economia. A pergunta que fica no ar é “Será essa “Nova Nova Economia que a revista coloca, a Economia do Compartilhamento?” Grandes mudanças estão acontecendo.

Até pouco tempo atrás, uma ação em massa só poderia ser coordenada por grandes corporações ou por governos centralizados. Hoje os meios de comunicação se fragmentaram e não são totalmente controlados por poucos. Está surgindo um socialismo coordenado pelo povo. A formação de grupos se tornou simples e fácil. Começa a existir a consciência de que unidas, as pessoas podem sim fazer a diferença e em muitos casos desmascarar ações de marketing muito bem planejadas e executadas. Para algumas indústrias isso significa uma ameaça. Se uma criança de 14 anos pode colocar em risco o seu negócio, o que está errado? Devemos negar a existência dessas novas formas de interação e conexão ou tentar entendê-las?

Anos atrás, o todo poderoso Bill Gates chamou o movimento “Open Source” de Comunistas Modernos. Se esse movimento não tivesse ocorrido, hoje não teríamos o Linux, Firefox, Wikipedia, etc. Agora sabemos quem estava errado e assistimos a Microsoft lutar para entrar na era do software como serviço. Para evoluirmos precisamos rever nossos paradigmas e fazer mais perguntas.

Num dos artigos escritos por Chris Anderson, é citado o professor do MIT, Tom Malone. Malone foi um dos pioneiros no estudo de mudanças no mercado de trabalho e aposta, a algum tempo, na descentralização do poder corporativo. Ele estará no Brasil em um evento de dois dias realizado pela HSM , onde trabalhará o tema: Futuro do Trabalho. Quem me conhece sabe que este é o evento que mais espero no ano. Com certeza teremos boas discussões sobre o tema.

Será agora o momento das “empresas pequenas”, mais ágeis, menos endividadas, mais colaborativas, mais abertas? Nunca na história tivemos tantos serviços prontos para ajudar os empreendedores. Quer um exemplo? Com a chegada da Computação nas Nuvens esses empreendedores não precisam nem mais de uma área de TI. Quer entender na prática o que isso significa? Ao mesmo tempo que escrevo esse post, sou informado que meu Inbox Corporativo está cheio. No meu e-mail pessoal gratuito do Google, esse “problema” nunca acontece. Outro dia um amigo dono de uma start-up média me disse: cancelei meu e-mail corporativo, agora só uso o Gmail. O que falar das caras atualizações do Excel e Word? Já conhecem o Google Docs? Com a plataforma de redes sociais Ning, qualquer um pode ter uma intranet em sua empresa. E o que falar do Twitter como plataforma de marketing direto e prestação de serviço ao cliente? Vejam o exemplo tupiniquim do Poderia citar muitos outros serviços e facilidades. Estamos definitivamente vivendo um “tesarac”, como coloca o Walter Longo, onde mudanças sociais e culturais significativas ocorrem e a sociedade se torna cada vez mais confusa e caótica, até conseguir se reorganizar.

A crise colocou muita gente boa na rua e estamos vendo novos trabalhadores saindo das escolas e penando para conseguir um emprego. Muitos voltarão a procurar a “segurança” de uma corporação, mas alguns vão se unir, compartilhar e criar algo novo. Precisamos desse espírito no Brasil, me parece que falta a atitude e vontade de criar alguma coisa do zero. Você concorda, discorda ou tem algum exemplo dessa “Nova Nova Economia”?

Por Jorge Carvalho, coordenador do portal HSM Online. Texto publicado originalmente no Blog da HSM.HSM Online12/06/2009


Parceria entre Minas e Google vai ampliar acesso à internet

BELO HORIZONTE (01/06/09) - O governador Aécio Neves, e o diretor-geral da Google para a América Latina, Alexandre Hohagen, assinaram, nesta segunda-feira (1º), no Palácio da Liberdade, parceria inédita no país que levará a todos os 2,5 milhões de alunos e 165 mil professores das escolas da rede pública estadual um conjunto de softwares oferecidos pela empresa, via Internet.
Ainda neste semestre, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) iniciará programas de treinamento para professores, funcionários e alunos aprenderem a utilizar as novas ferramentas no ambiente educacional. O sistema de buscas poderá auxiliar os alunos em pesquisas escolares e a ferramenta de criação de sites poderá ser usada nas escolas para divulgação de conteúdos e informações de interesse de suas comunidades.



Virtualização, TI Verde e Cloud Computing

How does Cloud Computing work?

Em breve, lançarei um artigo sobre como o Cloud Computing pode ser estratégico pensando na redução de custos e no lean management nas empresas.


O objetivo deste Blog é compartilhar soluções estratégicas, dicas, biblioteca, podcasts, videos, software livre, gestão de projetos, consultoria, ferramentas e técnias para otimizar e ajudar no monitoramento e controle dos projetos e processos organizacionais, além de apresentar boas práticas na resolução de conflitos e cases de sucesso sobre ética e conduta profissional.

Espero poder trocar experiências, dicas e sugestões que possam contribuir cada vez mais com a sociedade do conhecimento, mantendo, sempre, a dignidade e honestidade.